8 de outubro de 2010

O contador de histórias

Era tarde, noite, dia, quão perfeita alegria
As crianças sentvam ao luar
Para juntas repousar
Sob o encanto do contar.

Havia fadas e Rainhas
Bruxas e Mocinha
encantadas, encabuladas
E grande surpresa no fim.

Da sua boca saiam contos, poemas e sonhos,
Pura e eterna magia de uma voz sadia
Com fome de contar
Histórias ao luar.

Nunca era tarde, não havia idade.
Para o contador de histórias
Iniciar sua vocação.

Imaginação fluía, e assim terminava o dia.,
Em histórias e emoção
Do contador de grande coração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário